segunda-feira, 18 de junho de 2007

Retratos de Poznań

Há umas semanas passei um sábado em Poznań. É uma cidade que fica a uns 300km de Varsóvia, na região da Wielkopolska, traduzida literalmente por Grande Polónia. A viagem para lá é a maior seca que existe, porque há só um bocado de auto-estrada, depois o resto são estradecas que não têm muito a ver com aquelas estradas nacionais que já aqui falei. Chegámos a andar sei lá quantos quilómetros em rectas estreitinhas sem nada de um lado e do outro. E a auto-estrada... Óptima, mas uma roubalheira. Pagámos 22zl de cada vez que lá andámos, o que corresponde mais ou menos a uns 5/6 euros.
Poznań não pode ser comparada a Varsóvia no sentido em que não foi tão destruída durante a guerra. Aliás, penso que nenhuma outra cidade foi tão destruida como Varsóvia. Então, em Poznań há muitas casas antigas e coisas com piada. Infelizmente, em Varsóvia a maioria das coisas antigas são reconstruções. Em Poznań não. Claro que há coisas restauradas, mas a maioria vê-se que é mesmo antiga.
Os habitantes de Poznań têm uma espécie de aversão aos de Varsóvia. São rivalidades futebolísticas, mas não só. Mas, claro, no fundo são todos muito amiguinhos ;).
Aqui vão algumas fotos da viagem:















As longas estradas secundárias por onde andámos a fugir ao trânsito.















Uma cidade onde chocam o estilo antigo com o mau gosto dos anos do comunismo.



















A catedral de Poznań.















O altar da catedral é muito bonito. Aliás, toda ela por dentro é muito bonita. Infelizmente quase que correram connosco lá de dentro porque queriam fechar, então não deu para ver muito. Aqui estão sepultados os primeiros reis polacos.















Pormenor do altar mor. Gostei imenso deste tríptico ou escultura, ou lá o que é. São só mulheres.















Uma casa antiga algures lá no meio da cidade.




















A Câmara Municipal. Um edifício espetacular situado no centro da praça central da cidade. Há uma hora qualquer todos os dias (talvez o meio-dia, já não me lembro) em que as pessoas se concentram aqui a olhar para o relógio da CM porque a essa hora abre-se uma portinha e sai um animal qualquer (tipo relógio de cucu, mas em tamanho grande e só uma vez por dia). Não foi à hora a que eu lá estive.















Vista da praça central da cidade. Neste dia havia uma festa dedicada às crianças, com representações de índios e cowboys. Aproveito para dizer que os polacos adoram festas e nesta altura do ano é vê-las por toda a parte. Sobretudo aquilo a que eles chamam "piknik". Há imensos piknik temáticos, que se fazem em grandes espaços abertos (parques, praças, etc), onde há música, comes e bebes, barraquinhas com artesanato e outras coisas do estilo, etc. Os temáticos que eu já vi foram: piknik da matemática, piknik mães e filhos, piknik cultural, piknik com espetáculo de aviões e mais outros quaisquer que não me lembro.















Os polacos também gostam de bola. Neste dia havia jogos das selecções. Já não me lembro contra quem jogou a Polónia nem Portugal (seria com a Bélgica?). Cada vez que havia um golo, era ouvir a praça toda aos berros. Cada esplanada tinha a sua televisão e estavam todos colados a ver o jogo. A Polónia ganhou o jogo e Portugal também.

5 comentários:

Anónimo disse...

Achei piada aos "piknik"! Sobretudo ao da matemática!
Dizes q a cidade onde foste fica a cerca de 300 Km de distância de Varsóvia, q há rivalidades clubísticas e n só, q há um relógio de onde sai um animal ao meio-dia (supostamente)... Então já sei, foste ao Porto! Não ligues, é a minha costela tripeira a falar!
Beijos
Ana Cristina

mvs disse...

Hahahaha... tá bem visto! E acho que por lá passa o segundo maior rio polaco, mais uma coincidência!

António disse...

Disseram-me que os de Posnan são muito sovinas. Que qdo. vão a casa dos vizinhos põem três colheres de açucar no chá, em casa põem 1a colher de açucar, mas o drama é que como eles gostam mesmo do chá é com duas colheres de açucar. Só ouvi dizer, não sei se será assim. É uma questão de fé. Talvés tb. tenha um pouco a ver com o coração do João Pinto, que parece só ter uma cor: azul e branco. Aliás, parece tb. que os de Poznan acham que eles são os que realmente trabalham e produzem alguma coisa na Polónia. Será que estamos perante um espécie de síndrome dos 300 km? Julgo que será necessário aprofundar a investigação.

Anónimo disse...

Ah, esses Poznuenses têm a mania das grandezas. E fazem pikniks por tudo e por nada... A seco? Ou à comes e bebes?
O teu mano Tiago é q já lá esteve há muitos anos quando foi às JMJ teu irmão. Ah, e não foi lá q o Gonçalo Elias de toalhão turco e sabonete bateu a uma porta qualquer fazendo sinalefas expressivas e foi 100% bem sucedido? Teria tido piknik de pº almoço?

SuGru

Anónimo disse...

Ah... a Catedral é LINDA!!! Oxalá voltes e tires + fotos do interior... entretanto eles vão fazer auto-estrada com massas da CEE

Su