sexta-feira, 12 de junho de 2009

Jak się masz?

Noutro dia, em conversa com o Staś, ele comentou como achava estranho os portugueses cumprimentarem-se com "Tudo bem?", sem nunca se interessarem pela resposta. Na Polónia, quando alguém se cumprimenta com "Jak się masz?", normalmente a seguir vem uma resposta (regra geral, dizem, uma resposta pessimista). No entanto, em Portugal é frequente cumprimentarmo-nos com um "Tudo bem?" ou "Como está?" sem mais nada. Nem a pessoa que pergunta espera por uma resposta, nem a pessoa a quem perguntaram pensa em responder. Isto é estranhamente natural nos portugueses. Lembro-me de estar no liceu ou na faculdade e passar por pessoas nos corredores, com quem trocava ligeiros "Tudo bem?" que não passavam disso. Para um polaco (e talvez para a maioria das outras nacionalidades) isto é muito estranho. Quando passo por alguém sem tempo para conversas digo apenas "Cześć" ou algo do estilo. Se pergunto "Jak się masz?" significa que a outra pessoa tem de parar e dizer alguma coisa. Será que isto é uma característica dos portugueses, que se estão nas tintas uns para os outros? Mas também poderia dizer, será que é uma característica dos polacos, que gostam de se queixar e falar das suas mágoas?

3 comentários:

Margarida Elias disse...

Permite-me dscordar ligeiramente. À pergunta «Tudo bem?» geralmente responde-se «Tudo» ou «Sim».
A questão é mais que os portugueses não esperam que alguém dê uma resposta sincera, estilo «Mais ou menos», «Cá vamos indo» ou, pior ainda (estou a ser irónica), um conjunto de lamúrias.
Digamos que é apenas um gesto de simpatia, na esperança que os outros estejam bem - ou, pelo menos, se não souberem mentir, façam um aceno que sim e um sorriso amarelo.
Acho que não é propriamente desinteresse. É mera boa e fria educação, talvez de ispiração inglesa - estilo «How are you», ao que se responde, «I'm well, thank you»...

Ricardo Taipa disse...

Talvez mostre o lado mais desprendido e frio dos portugueses.

Apesar de sermos um povo latino, alegadamente de sangue-quente, com os nervos à flor-da-pele, acabamos por ter algum desprendimento em relação a terceiros que não fazem parte do nosso núcleo familiar ou círculo de amigos íntimos.

O tudo bem equivale a um "olá", "oi" ou a um "então?" e não me parece ter um valor real de interesse por o estado de espírito da pessoa cumprimentada.

Hoje em dia ninguém parece ter tempo para ninguém e para nada... :)

Anónimo disse...

Generalizou-se o 'tudo bem'como consequência da entrada das telenovelas brasileiras. Cá costumava-se mais dizer um simples Olá, como saudação. 'Tudo bem' e 'oi' são pura linguagem brasileira que se generalizou. É de facto uma saudação simpática equivalente ao olá que entretanto é também marca de gelados. Talvez para não se publicitar tanto estes, começámos a cultivar as expressões brasucas.
Mas a verdade é que mesmo noutro tipo de situações em que se dá um encontro e somos inquiridos acerca da nossa situação, da nossa vida ou saúde, na verdade em geral,
ninguém parece ter interesse em ouvir a resposta,
à excepção daquelas pessoas
cujo coração se deixou dilatar
por um certo Amor.