sexta-feira, 13 de março de 2009

A Toca do Lobo

Ontem estivemos a ver o filme Valquíria, o tal do Tom Cruise. Achei muito interessante o facto de no filme aparecer o quartel-general do Hitler na Prússia Oriental, onde ocorreu o atentado, que na realidade fica na Polónia. Já em tempos tinha ouvido falar de uma casa qualquer onde o Hitler ficava na Polónia, na região dos lagos, mas nunca pensei que fosse esta. A Toca do Lobo - assim se chamava este quartel - fica na região de Kętrzyn, na Mazúria, perto de um grande lago. Este território pertencia à Polónia antes das partilhas do séc. XVIII, que a dividiram entre a Áustria, a Rússia e a Prússia. Apesar de se chamar Prússia, tal como nos outros antigos territórios da Polónia, as pessoas falavam polaco. Depois da Iª Guerra Mundial, a Polónia voltou a ser independente e recuperou alguns dos seus antigos territórios. No entanto, a Prússia Oriental continuou a pertencer à Alemanha. O Hitler decidiu instalar-se naquela região para dali comandar a invasão da Rússia, porque sempre era mais perto do que Berlim. O espaço estava muito bem organizado: no meio de um bosque, devidamente camuflado de modo a que nenhum avião desse por ele, nem os moradores da região. Daquilo que ouvi dizer, durante a guerra e mesmo muito tempo depois da guerra, os polacos desconheciam a existência daquele quartel. Mal sonhavam eles que o Hitler tinha andado por ali tantas vezes. Segundo dizem, passou ali bastante tempo, nomeadamente: entre Junho de 1941 e Julho de 1942, sete dias no início de Novembro de 1942 e depois desde o fim desse mês até Fevereiro de 1943, seis dias em Março de 1943, 12 dias em Maio de 1943, 17 dias no início de Julho de 1943 e depois desde o fim desse mês até Fevereiro de 1944, e por fim entre Julho e Novembro de 1944.
A Toca do Lobo foi descoberta quando o Exército Vermelho começou a avançar sobre os nazis. Antes de abandonarem o local, os nazis fizeram explodir tudo. Porém, dado que algumas paredes tinham espessura de oito metros, nem todas as explosões conseguiram destruir tudo, tendo alguns dos bunkers e locais sobrevivido até hoje (não muitos, pelo que percebi).
Durante a existência activa da Toca do Lobo, viveram ali mais de 2000 pessoas. Tinha edifícios de carácter residencial e vários bunkers. Havia um grande gerador de energia, que fazia com que não tivessem de depender das terras vizinhas. Tinha também um cinema, uma central telefónica, casino, café, enfim, digamos que estavam bem apetrechados. Neste local o Hitler recebeu convidados importantes de países seus aliados, entre os quais Mussolini, o Primeiro-Ministro romeno Antonescu, o czar Bóris III da Bulgária, o Primeiro-Ministro francês Pierre Laval (do governo de Vichy) e o embaixador japones Hiroshi Oshim.
Perto deste local existe o hoje chamado aeródromo de Wilamowo. Aqui, os nazis construiram o seu aeroporto privativo para trazer e levar pessoas para a Toca do Lobo, bem como para abastecer o local. Este foi aproveitado posteriormente pelo Exército Vermelho. O aeródromo de Wilamowo mais tarde voltou a ser outra vez conhecido, pois deste local os comunistas transferiram o Cardeal Stefan Wyszyński como prisioneiro (ele teve de mudar várias vezes de local, pois os comunistas queriam manter segredo sobre o seu paradeiro, para criarem o mito de que tinha morrido ou abdicado. Só que as pessoas descobriam onde ele estava e depois era o cabo dos trabalhos).
Quem sabe se no Verão não decidimos dar um salto até à Mazúria e aproveitamos para ver a Toca do Lobo? Pode ser interessante.

6 comentários:

Anónimo disse...

Bem, deve haver mais mil e um locais interessantíssimos para visitar do que esse local tétrico- fedorento,de onde partiram tantas coisas tenebrosas perpetradas por lobos maquiavélicos. Quem por ali passar não penso que possa voltar alegre, mas pesado e carregando nas solas dos sapatos pedaços de lama imunda e fedorenta.
O meu coração salta para esta frase tão bela e conhecida noutras paragens onde graças a Deus esse lobo esfaimado não pôs o pé nem fez tocas:
"Rosas meu senhor, são rosas"! Locais que ainda exalem estes perfumes como as terras por onde passou a Rainha Santa lançam sem dúvida sobre nós o suave odor do Bem.
O que nos contas é uma curiosidade. Mas para passeios, se queres que te diga prefiro pousar os pés em locais onde passaram aqueles que á semelhança do Mestre passaram fazendo o bem, locais aonde hoje ainda como que paira no ar esse perfume do BEM, onde com alegria possamos cantar: "como são belos os pés que anunciam a paz e as mãos que repartem o pão!"
Espero que me entendas.
Um abraço n'Aquele que é todo o BEM.

CLARA

Zé da Bola disse...

Já vi esse local do filme Valkyria. Não fosse a organização Polaca tão pobre e este seria um local ainda mais conhecido. Realmente fica no meio da floresta numa zona onde sabe bem estar no Verão. Vi esses bunkers e casernas que descreves mas há pouca coisa que se possa ver. É destacado o tal atentado a Hitler no local e penso que pouco mais. Vale a pena ir a Mazury pois é uma região bonita. Recomendo vivamente aos nossos patrícios sobretudo para descansar. Aproveitem de passem por Ketrzyn para ver a "Toca do Lobo" que valerá a pena.

Anónimo disse...

Organizam-se a partir de agora excursões turísticas sobretudo para pintores que gostam de pintar animais selvagens ao tal local que foi a toca de Hitler.
Todo a Polónia tem paisagens lindíssimas, cidades e vilas antigas dignas de serem visitadas. Lagos belíssimos, montanhas esplendorosas. É possível fazer canoagem, saltos aquáticos nos lagos, tanto como se pode alugar um bungalow na vertente das Tatra e saborear a frescura dum Verão quente.

STOLAT

Foto Álbum Javert disse...

Dizem o que dizem, mas enquanto não houver uma guerra maior do que a Hitler iniciou, este permanecerá sendo o maior tirano de todos os tempos e não podemos esquecer o que os Alemães Nazistas cometeram.
Tem gente que tenta disfarçar, dizendo que locais voltados à 2ª Guerra têm que ser destruídos, não devem ser visitados, etc. Certamente essas pessoas são covardes, não têm noção do que realmente ocorreu e preferem esquecer.
Tudo que os nazistas e outros da aliança do mal fizeram na época, tem que ser lembrado todos os dias, ser passado de geração para geração , caso contrário, se esquecido, pode ocorrer novamente. Simon Weinsenthal tem uma frase muito boa para isto "...Deus me livre se eu esquecer esses ecos...".
Para finalizar este comentário, quero deixar claro que em junho deste ano, sairei do Brasil e visitarei a Europa como mochileiro, visando entre pontos turísticos, locais voltados à 2ª Guerra, para que eu leve para o resto da vida as marcas de um passado quando o mundo enlouqueceu.
Um abração a todos, respeito todas as opiniões e espero que respeitem a minha.

Ana Cristina Preto disse...

Já visitei e apesar do estado em que se encontra o local, extremamente degradado, o que se compreende devido à destruição que sofreu durante e pós guerra, é um local com um grande interesse histórico. Às pessoas que não conheçem aconselho a que visitem para ter uma pequena noção do que foi a Segunda Guerra Mundial, um momento importantíssimo da história mundial que ninguém devia desprezar nem ignorar.

A toca do lobo foi o quartel general do Hitler durante a guerra, um importante espaço de manobra que influenciou toda uma geração. Na minha opnião é um lugar interessantísssimo apesar de tétrico e fedorento e de ter sido o berço de muitas crueldades, todas as pessoas deviam passar por lá, para terem uma pequena ideia do que o ser Humano consegue fazer e para que não se voltem a repetir desgraças como foi a Segunda Guerra Mundial.

Ana Preto

Anónimo disse...

Visitei o local, aí por 1986. É um local histórico muito importante. Uma curiosidade a espessura do tecto em cimento armado, de cada bunker, para o proteger de eventual bombardeamento soviético era proporcional à importância do chefe nazi. O de Hitler, o mais espesso, tinha, salvo erro, 9 metros de espessura.
RN Portugal